Melhores designs em latas: "Canny" Awards

on 18 de maio de 2012



Primeira edição do concurso de design de latas de cerveja, o Canny awards teve 83 cervejarias com 231 cervejas inscritas em 8 diferentes categorias:

Muitos cervejeiros já estão usando latinhas por serem uma embalagem melhor que garrafas e que aguentam melhor o transporte.  No Brasil, nenhuma micro ainda se aventurou por estes mares.  Mas posso dizer que essa é uma tendência cada vez maior e logo logo já teremos alguma lata de microcervejaria aqui..
Veja algumas das latas competidoras abaixo..













Brix IPA

on 16 de maio de 2012

IPA simplezinha que eu fiz provavelmente pra vender ou pra servir no concurso nacional das Acervas.  Acabei não fazendo isso..

Brix IPA
American IPA
Type: All Grain Date: 16-May-12
Batch Size (fermenter): 54.00 l Brewer: Philip Zanello
Boil Size: 71.40 l Asst Brewer:
Boil Time: 60 min Equipment: Equipamento da Brix-50L
End of Boil Volume 62.40 l Brewhouse Efficiency: 75.00 %
Final Bottling Volume: 50.00 l Est Mash Efficiency 83.3 %
Fermentation: Ale, Two Stage Taste Rating(out of 50): -
Taste Notes:
Ingredients
Ingredients
Amt Name Type # %/IBU
12.00 kg Pilsner (2 Row) Ger (3.9 EBC) Grain 1 80.0 %
3.00 kg Munich II (Weyermann) (16.7 EBC) Grain 2 20.0 %
90.00 g Centennial [10.00 %] - First Wort 20.0 min Hop 3 24.2 IBUs
60.00 g Chinook [13.00 %] - Boil 60.0 min Hop 4 31.5 IBUs
Beer Profile
Est Original Gravity: 1.065 SG Measured Original Gravity: 1.046 SG
Est Final Gravity: 1.014 SG Measured Final Gravity: 1.010 SG
Estimated Alcohol by Vol: 6.7 % Actual Alcohol by Vol: 4.7 %
Bitterness: 55.8 IBUs Calories: 427.1 kcal/l
Est Color: 11.0 EBC
Mash Profile
Mash Name: Single Infusion, Light Body, No Mash Out Total Grain Weight: 15.00 kg
Sparge Water: 47.30 l Grain Temperature: 22.2 C
Sparge Temperature: 75.6 C Tun Temperature: 22.2 C

Mash PH: 5.20
Mash Steps
Name Description Step Temperature Step Time
Mash In Add 44.12 l of water at 71.9 C 65.6 C 75 min
Sparge Step: Fly sparge with 47.30 l water at 75.6 C

Carbonation and Storage






Fermentation: Ale, Two Stage

Destilando cerveja

on 15 de maio de 2012

Destilado de caldo de cana --> cachaça
Destilado de melaço de cana --> rum
Destilado de bagaço da uva --> grapa
Destilado de fermentado de cevada --> whisky

Destilado de vinho --> ??
Destilado de cerveja --> ??

O que eu quero dizer com isso é que embora pareça que o destilado de cerveja seja um whisky, é um pouco diferente..  Caso contrário cachaça e rum seriam a mesma coisa, ou muito parecidos.  E não são.  Uma cerveja pode ser lupulada, cheia de ésteres, escura e torrada, com alta ou baixa concentração de açúcares.  Todas essas variações fazem diferença em um destilado.  Há ainda o fator custo:  um produtor de whisky não vai jogar lúpulo no fermentado se não for ter uma grande diferença no produto final..  A temperatura de destilação parece também influenciar no produto final, assim como outros parâmetros, mas eu não conheço muito à respeito..

Sistema de destilação de 3 corpos
A vodka é diferente dos demais pois é um destilado de toda fonte de fermentáveis que estiver disponível, mas depois filtrado quimicamente para tirar o gosto de grãos e torná-la o mais neutra possível..

No dia 05 de maio foi feita uma destilação na FATEC de algumas cervejas minhas que acabaram não ficando interessante: Old Ale que foi maturada em carvalho e acabou pegando muuito gosto de madeira (eu blendei um pouco dela, mesmo assim tinha muita cerveja sobrando).  E também uma IPA que acabou ficando com diacetil (na hora da destilação, porém, notei que o diacetil tinha sumido.  Hehehe, muito tempo maturando a temperatura alta acaba limpando a cerveja de diacetil).  No total 150L resultaram em ~18L de destilado.  Veja no vídeo no final do post como foi o processo.

Agora nos resta saber, por degustação, qual serão as diferenças de destilados, lupulados, amargos, torrados, caramelados e etc resultarão.  Como eu não tenho tanta cerveja sobrando assim, e como eu estou mais focado em cerveja, esse projeto vai ficar em standby (bom que destilados não estragam).




Rainha do lúpulo

on 11 de maio de 2012



Esteve no último CBC (Craft Brewers Conference) em San Diego, Ca, a rainha do lúpulo Hallertauer, Veronika Springer.  Todo ano uma rainha é eleita para representar e divulgar sua região de cultivo de lúpulo, viajando a diversos países e eventos.


Ela trabalha com extração de lúpulo e é técnica em laboratório.  Durante a conferência, os produtores de lúpulo da alemanha disponibilizaram duas cervejas feitas com novas variedades (experimentais) de lúpulos de aroma.  Uma delas é um cruzamento entre Cascade um lúpulo selvagem alemão.


A cervejaria americana Victory fez algumas brassagens-teste com algumas dessas variedades novas de lúpulo.


Veja a entrevista (em inglês) feita com ela..


BeerSmith com grandes novidades!

on 9 de maio de 2012



Foi anunciado por Brad Smith do Beersmith algumas novidades a serem lançadas no meio de maio para o software de cervejas mais famoso para cervejeiros caseiros e profissionais.

Além de um timer para ser usado durante as brassagens (ótima ferramenta para mostura, fervura, etc..), o usuário do Beersmith terá agora uma conta na internet que poderá armazenar receitas, podendo acessar as mesmas de outros computadores, que foi o pedido de muita gente que não aguentava ter que ficar transferindo os arquivos de um computador a outro (notebook a desktop por exemplo.  Ou ainda o meu caso, que planeja as receitas em um computador, mas executa em outro).

Brad Smith foi além.  Ele criou uma rede de usuários que poderão não apenas acessar suas receitas de computadores diferentes, mas que também poderão compartilhá-las ao mundo todo.  Sites como o Recipator ficarão reduzidos à cinzas, uma vez que logo de cara o Beersmith terá mais de mil receitas compartilhadas.  As pessoas poderão compartilhá-las pelo facebook, twitter, e outras redes sociais.  Acredito que isso irá gerar uma revolução no mundo do cervejeiro caseiro.

Inicialmente serão 10 receitas que poderão ser armazenadas por cada usuário (que pagou para ter sua versão do Beersmith) em uma conta no site.  Isso é o suficiente para que as receitas ativas estejam disponíveis para ser acessadas de computadores diferentes (meu caso novamente).  Caso o usuário queira mais espaço, poderá pagar uma mensalidade pra isso (acredito que vá girar em torno de $0.99 a $1.99 por mês).

Mas nem tudo é boa notícia.  Mesmo que tenhamos milhares de receitas disponíveis a todos, o problema persiste: como separar as boas das ruins.  Como tudo na internet, teremos uma oferta muito maior de receitas inacabadas, mal anotadas e simplesmente receitas ruins.  Portanto, já fica a minha sugestão para que as receitas sabidamente premiadas ganhem um "selo de aprovação" do beersmith.  E para que algumas cervejarias que disponibilizaram suas receitas também tenham receitas com um ícone de "clone" certificado pelo beersmith (e pela cervejaria que aceitar disponibilizar suas receitas).

Pretendo colocar no ar as minhas receitas recentes e também as mais 'famosas' digamos.  Pretendo deixar anotações extensas para que o próximo cervejeiro caseiro tenha uma boa base de informação para poder adaptá-la a seu gosto e desejo....  Um pouco de senso de comunidade talvez seja criada.  E quem sabe eu não acabo ajudando a melhorar o nível das cervejas caseiras em geral.  Pode ser um milhonésimo de melhora, mas um milhonésimo não é zero!

Novos projetos da Cervejaria Brix

on 3 de maio de 2012



Depois de um período de dormência, reestruturação e reformas, a Cervejaria Brix voltará a funcionar com uma proposta um pouco diferente: realizar diversos projetos, cada um com sua peculiaridade, onde cada um focará em uma técnica, receita ou filosofia diferente que resultará em produtos finais que trarão luz a dúvidas e me ajudarão a me tornar um cervejeiro melhor.  Cada um deles consistirá de algumas brassagens, para que várias vertentes possam ser abordadas.

De cara eu já posso nomear alguns projetos, que tomarão o resto de 2012.  Sugestões de projetos futuros são sempre bem-vindos, portanto escrevam nos comentários o que vocês gostariam de ver acontecendo.  Caso eu aceite alguma dessas sugestões, posso até pensar em enviar uma(s) cerveja(s) para o dono da idéia.

Próximos projetos:

  • Imperial Stout em barril de carvalho, maturado por 6 meses - 1 ano
  • Hidromel
  • Cervejas azedas
Junto com eles eu estarei produzindo cervejas para competições das quais não serei jurado.  E também eventuais cervejas para o consumo de dia-a-dia.



___________________________________________________________
IMPERIAL STOUT EM BARRIL DE CARVALHO


Esse projeto já estava em vista antes mesmo de eu adquirir um barril de carvalho.  A primeira cerveja a ser maturada nele foi a Madera, que chegou a ficar de 6 meses antes de transferir.  Como era o primeiro uso do barril, o sabor de carvalho ficou um pouco forte demais, tanto é que precisei blendar a cerveja para não ficar forte demais em madeira.  Agora, com a imperial stout, acredito que o gosto de maltes torrados casará um pouco mais com a madeira, trazendo profundidade aos sabores, sem deixar sobressair tanto a madeira.  Serão necessárias 4 (ou 5) brassagens para encher o barril.  Como eu pretendo usar 25-30kgs em cada brassagem, a cerveja final terá usado perto de 150kgs de malte.  Empreendimento grandioso!!




___________________________________________________________
HIDROMEL

Sempre houve um interesse meu por hidromel, desde os tempos da primeira leitura do "Joy of Homebrewing" do Charlie Papazian.  Recentemente li o livro "The Complete Meadmaker" do Ken Schramm e decidi entrar nessa empreitada.  Esse também é um projeto que demorará 6 meses - 1 ano para ficar pronto, portanto é melhor que seja atacado o mais cedo possível.  Serão 4 ou 5 "brassagens" de hidromel, visando produtos bem diferentes entre si.  O hidromel também é muito versátil, e praticamente todo ingrediente pode ser usado em sua produção.  Mas basicamente a idéia é fazer:
  1. Hidromel médio-doce de apenas mel, introdutório.
  2. Hidromel forte e doce (16-18%alc)
  3. Melomel (com frutas)
  4. Seco e carbonatado
  5. Metheglin (com especiarias.....ainda a escolher)
Ainda há algumas variáveis sobrando, como o ajuste de ácido-dulçor-taninos.  Mas isso pode ser um projeto futuro.  Por enquanto, ficaremos com essa proposta inicial.


___________________________________________________________
CERVEJAS AZEDAS

Sim!!  Azedas, sour beers, lambics e tudo o mais que couber por aqui.  Esse TAMBÉM é um projeto com grande demora para ficar pronto, coisa de 1 ano ou mais, então eu TAMBÉM tenho que começar cedo.  Basicamente vou fazer levas de cervejas azedas de todas as cores, e de modos diferentes de se obter o elemento azedo.  Posso destacar alguns:
  1. Sour mash, e então procedendo da forma usual.
  2. Usando malte acidificado ou dosando ácido lático em uma cerveja normal
  3. Fermentação espontânea.
  4. Inoculação com "bichos": brettanomyces, lactobacilus, de diferentes formas.  Posso aqui inocular depois de uma fermentação por levedura normal, ou direto no mosto, tornando essa uma cerveja 100% de leveduras selvagens.





Espero poder começar esses projetos no fim de maio....  Fique atento a próximas atualizações!







Southern English Brown Ale

on 1 de maio de 2012

Depois de comprar o Beersmith e de ter tido um pequeno hiato com cervejas, decidi brassar uma Brown Ale inglesa que acabou dando errado e essa foi uma das cervejas que eu joguei fora pelo ralo.  Acontece de tempos em tempos, acho que foi uma contaminação sim, pois ela estava muito ácida.  Depois dela eu fiz uma limpa na cervejaria e equipamentos.  É interessante notar também que 50L pra uma receita dessa não era necessário.  Poderia ter feito 20L, mas só fui descobrir que é melhor fazer menos e mais vezes no final do ano..

Southern English Brown Ale
Southern English Brown Ale
Type: All Grain Date: 01-May-12
Batch Size (fermenter): 54.00 l Brewer: Philip Zanello
Boil Size: 71.40 l Asst Brewer:
Boil Time: 60 min Equipment: Equipamento da Brix-50L
End of Boil Volume 62.40 l Brewhouse Efficiency: 75.00 %
Final Bottling Volume: 50.00 l Est Mash Efficiency 83.3 %
Fermentation: Ale, Two Stage Taste Rating(out of 50): -
Taste Notes: Ainda não está pronta. Escolha errada de fermento (WLP007) para cerveja com tão baixo teor de álcool e sendo uma Souther English Brown Ale. Ficou muito atenuada. O WLP002 seria BEM melhor (ou ainda S-04)
Ingredients
Ingredients
Amt Name Type # %/IBU
6.00 kg Pale Malt (2 Row) US (3.9 EBC) Grain 1 60.0 %
2.00 kg Caramunich II (Weyermann) (124.1 EBC) Grain 2 20.0 %
1.00 kg Carared (39.4 EBC) Grain 3 10.0 %
0.40 kg Special B (Castle Malting) (300.0 EBC) Grain 4 4.0 %
0.30 kg Carafa III (Weyermann) (1034.3 EBC) Grain 5 3.0 %
0.30 kg Chokladmalt (Castle Malting) (900.0 EBC) Grain 6 3.0 %
120.00 g Styrian Goldings [3.00 %] - Boil 60.0 min Hop 7 17.4 IBUs
1.0 pkg Dry English Ale (White Labs #WLP007) [35.49 ml] Yeast 8 -
Beer Profile
Est Original Gravity: 1.041 SG Measured Original Gravity: 1.040 SG
Est Final Gravity: 1.011 SG Measured Final Gravity: 1.011 SG
Estimated Alcohol by Vol: 3.9 % Actual Alcohol by Vol: 3.8 %
Bitterness: 17.4 IBUs Calories: 371.7 kcal/l
Est Color: 54.9 EBC
Mash Profile
Mash Name: Temperature Mash, 1 Step, Full Body Total Grain Weight: 10.00 kg
Sparge Water: 51.41 l Grain Temperature: 18.0 C
Sparge Temperature: 77.0 C Tun Temperature: 18.0 C

Mash PH: 5.20
Mash Steps
Name Description Step Temperature Step Time
Saccharification Add 35.00 l of water at 75.3 C 68.9 C 40 min
Mash Out Heat to 75.6 C over 10 min 75.6 C 10 min
Sparge Step: Fly sparge with 51.41 l water at 77.0 C

Carbonation and Storage
Carbonation Type: Keg




Fermentation: Ale, Two Stage
Notes
04-05: 1.024 ainda. Muita maçã verde. Bastante ácida. Quase a ponto de jogar fora e quase a ponto de achar que foi contaminação (mas em 3 dias isso não aconteceria). Um ácido que eu relacionei com algumas stouts que eu fiz e começo a desconfiar do meu malte torrado (tá muito velho). Mas ainda com muito fermento em solução. Parece bem atenuada apesar da alta densidade. Não sinto dulçor de malte. Queria ter mais "maltado" na cerveja, com dulçor residual. Não foi o que aconteceu. A cerveja está cheia de "cotovelos e joelhos". Purguei o fermento para usar na cerveja da FATEC (Arrogant Bastard). Portanto precisei abaixar a temp. para 16ºC na sexta para retirada. Depois disso, no sábado (05-05) eu já aumentei para 22ºC

06-05: 1.016. pH: 4,2. Não parecia estar fermentando. Mas parece que caiu um pouco a acidez na boca e deu uma pequena arredondada. Vou deixar a 22ºC por mais uns 5-7 dias e depois crash-cool para 2ºC para ver se melhora..

11-05: REFRACT: 1.016. DENSĺM: 1.020. Ainda tem um 'acid bite' no final, mas menos do que antes. Corpo baixo, alcool baixo. Talvez se tivesse 8% de alcool fosse melhor pra ter mais corpo e doçura. De novo: errei no fermento. Alguns esteres meio 'zuados' também, não tão clean, um pouco metálico e meaty. E o torrado tem pouca coisa de 'cinza' e metálico'. Não acredito ser uma das minhas melhores cervejas, mas agora entrará em maturação a 0ºC por + 2 semanas... Grande parte do fermento já sedimentou. 1 semana ainda no fermentador e depois eu transfiro...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...